BANCOS DE GERMOPLASMA E ESTAÇÕES DE CRUZAMENTOS DA CANA-DE-AÇÚCAR DA RIDESA

Atualmente a RIDESA conta com dois Bancos de Germoplasma: o da Estação de Floração e Cruzamento Serra do Ouro, em Murici, Alagoas (lat 09º 13’ S, long 35º 50’ W e alt 515m) e o da Estação de Floração e Cruzamento de Devaneio, em Amaraji, Pernambuco (lat 08° 19,8’ S, long 35° 24,89’ W e alt 514m).

Para o intercâmbio anual dos clones a serem introduzidos nas estações de cruzamentos e provenientes das Universidades integrantes da RIDESA, bem como daqueles genótipos importados, é necessária a quarentena. Desta forma, os genótipos introduzidos nas estações de cruza- mentos têm sido previamente avaliados na Estação quarentenária coordenada pela UFAL, que está localizada em Bebedouro (lat 9° 39’ S, long 35° 44’ W e alt 4m), Maceió, Alagoas e possui uma área de 4 hectares de mata e 1 hectare de cultivo de cana-de-açúcar. Sua infraestrutura é composta por uma casa de vegetação com 250 m², três salas com capacidade para avaliar cerca de 240 genótipos, uma sala para tratamento fitossanitário, compartimentos para esterilização de solo e incineração de restos vegetativos e embalagens.

RIDESA: BANCOS DE GERMOPLASMA E ESTAÇÕES DE CRUZAMENTOS

Atualmente a RIDESA conta com dois Bancos de Germoplasma: o da Estação de Floração e Cruzamento Serra do Ouro, em Murici, Alagoas (lat 09º 13’ S, long 35º 50’ W e alt 515m) e o da Estação de Floração e Cruzamento de Devaneio, em Amaraji, Pernambuco (lat 08° 19,8’ S, long 35° 24,89’ W e alt 514m).

Para o intercâmbio anual dos clones a serem introduzidos nas estações de cruzamentos e provenientes das Universidades integrantes da RIDESA, bem como daqueles genótipos importados, é necessária a quarentena. Desta forma, os genótipos introduzidos nas estações de cruzamentos têm sido previamente avaliados na Estação quarentenária coordenada pela UFAL, que está localizada em Bebedouro (lat 9° 39’ S, long 35° 44’ W e alt 4m), Maceió, Alagoas e possui uma área de 4 hectares de mata e 1 hectare de cultivo de cana-de-açúcar. Sua infraestrutura é composta por uma casa de vegetação com 250 m², três salas com capacidade para avaliar cerca de 240 genótipos, uma sala para tratamento fitossanitário, compartimentos para esterilização de solo e incineração de restos vegetativos e embalagens.

SERRA DO OURO - ALAGOAS

A Estação Serra do Ouro, criada em 1967, tem pluviosidade anual média de 2.363 mm, temperatura mínima média de 18,2 ºC e temperatura máxima média de 27,9 ºC. Situa-se a 34 km do litoral e tem área total de 32 hectares. Por sua localização e clima privilegiados, permite o flores- cimento natural e profuso da cana-de-açúcar necessário para a realização de hibridações previamente planejadas pelos pesquisadores da RIDESA (Figura 15). De 1971 até 1989, essas atividades foram realizadas pelo PLANALSUCAR que nesse período obteve e liberou para o setor produtivo nacional, 19 variedades RB. A partir de 1990, a Serra do Ouro passou para a UFAL, para atendimento aos programas de obtenção de cultivares RB da RIDESA, tendo a gestão do PMGCA do Centro de Ciências Agrárias da UFAL. A partir das sementes produzidas na Serra do Ouro foram geradas 94 cultivares, sendo 75 liberadas pela RIDESA. Em 2015, o Banco de Germoplasma da Serra do Ouro contêm 3.090 acessos, entre espécies do gênero Saccharum e correlatos, e híbridos de cana-de-açúcar provenientes de programas de melhoramento genético nacionais e internacionais (Tabela 01).​

Tabela 1. Número de acessos no Banco de Germoplasma da Estação de Floração e Cruzamento Serra do Ouro, Murici-AL em 2015.

DEVANEIO - PERNAMBUCO

A Estação de Devaneio tem como objetivo complementar as pesquisas da RIDESA de hibridação para obtenção de novas variedades RB. Situada na cidade de Amaraji – PE, ocupa uma área total de 15 hectares, estando a 25 km de distância do litoral e 110 km do Recife. Tem as seguintes coordenadas geográficas 08°19,8’S e 35°24,893’W a 514 m de altitude e clima privilegiado, precipitação pluvial média anual de 2.600mm, temperaturas mínima com média de 18,92ºC e máxima média de 28,15ºC, que permite o florescimento natural e abundante da cana-de-açúcar, necessário para a realização de hibridações previamente planejadas pelos pesquisadores das Universidades da RIDESA.
Essa base de pesquisa teve sua origem em 2007, quando pesquisadores da UFRPE da RIDESA desenvolvendo experi- mentos na região observaram as condições excepcionais para hibridação e no mesmo ano foi feito a introdução de genótipos para formação de mais um Banco de Germoplasma para a RIDESA, complementar ao de Serra do Ouro. A Estação de Floração e Cruzamento de Devaneio, tem como gestora a Estação Experimental de Cana-de-açúcar do Carpina – EECAC da Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE. Esta Estação tem produzido e enviado cariopses para as Universidades da RIDESA nos últimos 5 anos.
O banco de germoplasma da Estação de Floração e Cruzamento de Devaneio é composto de 994 genótipos, oriundos de programas nacionais e internacionais (Tabela 02).

​Tabela 2. Número de acessos no Banco de Germoplasma da Estação de Floração e Cruzamento Devaneio, Amaraji-PE, em 2015.

ETAPAS DO MELHORAMENTO

Florescimento
Florescimento

Cana-de-açúcar

Panícula
Panícula

Florescimento

Combinações
Combinações

Limpeza

Campânula
Campânula

Cruzamento Biparental

Germinação
Germinação

Sementes

Repicagem
Repicagem

Individualização das plântulas

Experimentação
Experimentação

Etapa de Seedlings

Avaliações
Avaliações

Pesagem de experimentos

Avaliações
Avaliações

Isoporização