BANCOS DE GERMOPLASMA E ESTAÇÕES DE CRUZAMENTOS DA CANA-DE-AÇÚCAR DA RIDESA

Atualmente a RIDESA conta com dois Bancos de Germoplasma: o da Estação de Floração e Cruzamento Serra do Ouro, em Murici, Alagoas (lat 09º 13’ S, long 35º 50’ W e alt 515m) e o da Estação de Floração e Cruzamento de Devaneio, em Amaraji, Pernambuco (lat 08° 19,8’ S, long 35° 24,89’ W e alt 514m).

Para o intercâmbio anual dos clones a serem introduzidos nas estações de cruzamentos e provenientes das Universidades integrantes da RIDESA, bem como daqueles genótipos importados, é necessária a quarentena. Desta forma, os genótipos introduzidos nas estações de cruza- mentos têm sido previamente avaliados na Estação quarentenária coordenada pela UFAL, que está localizada em Bebedouro (lat 9° 39’ S, long 35° 44’ W e alt 4m), Maceió, Alagoas e possui uma área de 4 hectares de mata e 1 hectare de cultivo de cana-de-açúcar. Sua infraestrutura é composta por uma casa de vegetação com 250 m², três salas com capacidade para avaliar cerca de 240 genótipos, uma sala para tratamento fitossanitário, compartimentos para esterilização de solo e incineração de restos vegetativos e embalagens.

RIDESA: BANCOS DE GERMOPLASMA E ESTAÇÕES DE CRUZAMENTOS

Atualmente a RIDESA conta com dois Bancos de Germoplasma: o da Estação de Floração e Cruzamento Serra do Ouro, em Murici, Alagoas (lat 09º 13’ S, long 35º 50’ W e alt 515m) e o da Estação de Floração e Cruzamento de Devaneio, em Amaraji, Pernambuco (lat 08° 19,8’ S, long 35° 24,89’ W e alt 514m).

Para o intercâmbio anual dos clones a serem introduzidos nas estações de cruzamentos e provenientes das Universidades integrantes da RIDESA, bem como daqueles genótipos importados, é necessária a quarentena. Desta forma, os genótipos introduzidos nas estações de cruzamentos têm sido previamente avaliados na Estação quarentenária coordenada pela UFAL, que está localizada em Bebedouro (lat 9° 39’ S, long 35° 44’ W e alt 4m), Maceió, Alagoas e possui uma área de 4 hectares de mata e 1 hectare de cultivo de cana-de-açúcar. Sua infraestrutura é composta por uma casa de vegetação com 250 m², três salas com capacidade para avaliar cerca de 240 genótipos, uma sala para tratamento fitossanitário, compartimentos para esterilização de solo e incineração de restos vegetativos e embalagens.

SERRA DO OURO - ALAGOAS

A Estação Serra do Ouro, criada em 1967, tem pluviosidade anual média de 2.363 mm, temperatura mínima média de 18,2 ºC e temperatura máxima média de 27,9 ºC. Situa-se a 34 km do litoral e tem área total de 32 hectares. Por sua localização e clima privilegiados, permite o flores- cimento natural e profuso da cana-de-açúcar necessário para a realização de hibridações previamente planejadas pelos pesquisadores da RIDESA (Figura 15). De 1971 até 1989, essas atividades foram realizadas pelo PLANALSUCAR que nesse período obteve e liberou para o setor produtivo nacional, 19 variedades RB. A partir de 1990, a Serra do Ouro passou para a UFAL, para atendimento aos programas de obtenção de cultivares RB da RIDESA, tendo a gestão do PMGCA do Centro de Ciências Agrárias da UFAL. A partir das sementes produzidas na Serra do Ouro foram geradas 94 cultivares, sendo 75 liberadas pela RIDESA. Em 2015, o Banco de Germoplasma da Serra do Ouro contêm 3.090 acessos, entre espécies do gênero Saccharum e correlatos, e híbridos de cana-de-açúcar provenientes de programas de melhoramento genético nacionais e internacionais (Tabela 01).​

Tabela 1. Número de acessos no Banco de Germoplasma da Estação de Floração e Cruzamento Serra do Ouro, Murici-AL em 2015.

DEVANEIO - PERNAMBUCO

A Estação de Devaneio tem como objetivo complementar as pesquisas da RIDESA de hibridação para obtenção de novas variedades RB. Situada na cidade de Amaraji – PE, ocupa uma área total de 15 hectares, estando a 25 km de distância do litoral e 110 km do Recife. Tem as seguintes coordenadas geográficas 08°19,8’S e 35°24,893’W a 514 m de altitude e clima privilegiado, precipitação pluvial média anual de 2.600mm, temperaturas mínima com média de 18,92ºC e máxima média de 28,15ºC, que permite o florescimento natural e abundante da cana-de-açúcar, necessário para a realização de hibridações previamente planejadas pelos pesquisadores das Universidades da RIDESA.
Essa base de pesquisa teve sua origem em 2007, quando pesquisadores da UFRPE da RIDESA desenvolvendo experi- mentos na região observaram as condições excepcionais para hibridação e no mesmo ano foi feito a introdução de genótipos para formação de mais um Banco de Germoplasma para a RIDESA, complementar ao de Serra do Ouro. A Estação de Floração e Cruzamento de Devaneio, tem como gestora a Estação Experimental de Cana-de-açúcar do Carpina – EECAC da Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE. Esta Estação tem produzido e enviado cariopses para as Universidades da RIDESA nos últimos 5 anos.
O banco de germoplasma da Estação de Floração e Cruzamento de Devaneio é composto de 994 genótipos, oriundos de programas nacionais e internacionais (Tabela 02).

​Tabela 2. Número de acessos no Banco de Germoplasma da Estação de Floração e Cruzamento Devaneio, Amaraji-PE, em 2015.

ETAPAS DO MELHORAMENTO

Florescimento
Cana-de-açúcar
Panícula
Florescimento
Combinações
Limpeza
Campânula
Cruzamento Biparental
Germinação
Sementes
Repicagem
Individualização das plântulas
Experimentação
Etapa de Seedlings
Avaliações
Pesagem de experimentos
Avaliações
Isoporização
Mostrar Mais